sábado, 18 de janeiro de 2014

Casa dos Artistas: Conheça as Mulheres que ficaram confinadas no reality show


Ele criou o maior fenômeno da televisão brasileira dos últimos tempos. Silvio Santos colhe os frutos do sucesso da Casa dos Artistas até hoje, o reality show que fez o Brasil parar por 50 dias. Um grupo de 12 artistas aceitou o desafio de ficar confinado em uma mansão. Antes de conhecer detalhes do projeto, todos assinaram contrato de confidencialidade, comprometendo-se a não divulgar informações, caso não topassem participar depois de conhecer as regras. Os integrantes só foram descobrir quem seriam seus companheiros pouco antes de serem transportados, com vendas nos olhos, para uma elegante casa no bairro do Morumbi, em São Paulo. Essa reunião, transmitida ao vivo pelo SBT, foi o primeiro capitulo da aventura.

E agora, que tal saber mais sobre as mulheres que toparam esse desafio e ficaram confinados no programa? A seguir, vocês vão conferir um pequeno resumo sobre as mulheres, na época em que o reality show foi ao ar, em 2001.


A emissora paulista é velha conhecida da modelo. Foi lá que Alessandra ingressou no mundo artístico como figurante no programa Corrida Maluca, exibido aos domingos. Mais tarde, arrebatou uma legião de fãs como assistente de palco do programa Domingo Legal, de Gugu Liberato. As formas perfeitas renderam à loira, que nasceu na cidade paulista de São Bernardo do Campo, duas paras para a revista Playboy, além de convites para trabalhar como modelo. Casada com Rogério Gherbali, Alessandra não tem filhos (na época) e, com sua participação na Casa dos Artistas, recebeu alguns convites para trabalhos no próximo ano. Entre eles, um longa-metragem sobre preconceito racial e um curta infantil.


A vida da atriz é recheada de dramas familiares. Na infância, a família de Barbara Raquel Paz vivia confortavelmente em Campo Bom, no interior do Rio Grande do Sul. O pai, Oripe Paz, era comerciante, dono da rodoviária local e vereador. A mãe, Iray Siria Apolo, ocupava-se de cuidar das três filhas, Adriane, Daniela e Silvina, todas pequenas, e comemorou com o marido a quarta gravidez. No dia do parto de Barbara, Iray teve embolia pulmonar e, depois de algum tempo internada, passou a sofrer de insuficiência renal. Ao ver a situação da mulher, Oripe ficou desesperado. Aos poucos foi alargando os negócios, começou a beber e, quando a filha caçula tinha 4 anos, morreu de cirrose. Na ocasião, Iray estava em um outro hospital, onde tinha sido operada de um problema cardíaco que a deixaria internada por mais seis meses. Enquanto isso, as crianças eram criadas por tios e vizinhos. Quando Barbara tinha 17 anos, sua mãe morreu e ela resolveu tentar a vida em São Paulo. Na cidade grande descobriu sua grande paixão, o teatro a atuou na peça Suburbia. Além disso, fez uma pequena participação no seriado Sandy e Junior, da TV Globo. De acordo com o ex-namorado Raul Barreto, do grupo Parlapatões, a garota tem muito talento e vai vencer nos palcos.


Seu nome de batismo é Marilei Regina Alexandre, mas em casa ganhou o apelido de Leleca. Para os fãs, ela é a Mari Alexandre, a Marylin Brasil da Escolinha do Barulho, na Record. Começou sua carreira de modelo aos 12 anos, na cidade onde nasceu, Rio do Sul, em Santa Catarina. Dai para a frente, a história parece uma versão moderna da Cinderela. "Fui assistir a um programa da Hebe, me viram na platéia e me convidaram para fazer um teste para a Playboy", conta. Simples assim! Foi o chute inicial para começar a fazer comerciais e conquistar o titulo de Garota do Fantástico, quadro do programa dominical. No ano seguinte, já estava no elenco de Escolinha do Barulho. Desse trabalho, que dura três anos, Mari desenvolveu o gosto pela comédia. Quer continuar a trabalhar com personagens engraçados, pretende gravar um cd e, se possível, ter um programa só dela. Entre seus sonhos, também está o de se casar (na época) com Vavá, seu namorado, e passar a lua-de-mel no Taiti. Um futuro cor-de-rosa!


Sambar é com ela mesmo! Esta goiana de 26 anos (na época) adora uma sandália de prata e não economiza esforços no Carnaval. Este ano, foi madrinha da bateria da Caprichosos de Pilares e desfilou em outras cinco escolas. Mas sua popularidade vem de outro lugar, das participações na Banheira do Gugu, quadro do programa Domingo Legal, no SBT, por um ano.


Determinada e corajosa, a modelo Núbia Oliver é do tipo que afia todas as suas garras para conseguir o que quer. Na Casa dos Artistas usou seu poder de negociação e sua facilidade em convencer os outros para conquistar aliados. Não foi o suficiente. Mas em outros aspectos de sua vida coleciona vitórias. Começou a carreira de modelo aos 17 anos, vencendo o concurso Panteras, organizado com modelos de todo o Brasil, e logo depois foi capa da revista masculina Playboy. Quando resolveu investir na carreira de atriz, participou de duas novelas com personagens fortes: foi a beata em Tocaia Grande, na extinta Manchete, e uma prostituta em Dona Anja, no SBT. Sua atual paixão é viajar para sua fazenda, em Minas Gerais, e cuidar do gado. O hobby virou profissão e hoje ela tem duas empresas que organizam rodeiros, a Estouro da Boiada Núbia Ólive e Núbia Ólive Representações Artísticas. E, para quem pensa que a vida de Núbia se resume em fotos e fazenda, mais uma surpresa: essa minera, de 27 anos, foi candidata a vereadora de sua cidade, Uberaba, sem levar o cargo. Mas politica é coisa do passado. Seu projeto para 2002 é fazer cursos de teatro e se aperfeiçoar na carreira de atriz.


Desde criança, a cantora é apaixonada por música, principalmente o pop rock. Filha de Nanci e de Roberto Coelho, executivo de uma multinacional, a paulistana Patricia teve a oportunidade de viver fora do Brasil. Morou três anos em Boston, nos Estados Unidos, e cinco na capital mexicana. De volta ao pais natal, formou-se em jornalismo, mas o seu negócio era cantar e encantar seu público. Em 1997, com a banda Sect, lançou o cd com a música Crazy for You, que estourou nas paradas de sucesso. No ano seguinte, viajou para o Japão para gravar o disco Fim da Inocência. Mas foi com os hits Vem, da trilha sonora de Uga Uga, e Meu Sangue Ferve que a cantora passou a ser conhecida do grande público. Para Eleni Rucinski, empresária de Patricia, dois fatores foram decisivos para que a cantora participasse do programa. "Ela adorou o convite do Silvio Santos, de quem é fã, e também não resiste a um desafio. O programa tem tudo a ver com ela", revela Eleni.


E ai? Gostaram de conhecer sobre as mulheres na época do programa? Quer saber por onde elas andam hoje em dia? Clique nos nomes deles a seguir: Alessandra Scatena, Barbara Paz, Mari Alexandre, Nana Gouvea, Núbia Oliiver e Patricia Coelho. E ainda tem uma entrevista exclusiva que fiz com a Núbia Oliiver e ela comenta sobre o programa.

Qualquer novidade eu volto, lembrando que quem quiser entrar em contato comigo, pode add no facebook, procurando por "Bruna Jones" e que agora na página oficial do blog, vocês encontram conteúdo exclusivo: clique aqui! Podem também procurar e seguir no twitter no @odiariodebrunaj certo?

Nenhum comentário:

Postar um comentário