segunda-feira, 2 de maio de 2016

Teatro: Diferenças entre "Ou Tudo Ou Nada - A Comédia Musical" para o filme "The Full Monty"


Então que, faz muito pouco tempo que eu assisti ao filme "The Full Monty", aqui no Brasil ficou como "Ou Tudo Ou Nada"... O filme é britânico, de 1997, foi nomeado para grandes prêmios e tem o Robert Carlyle (Rumpelstiltskin de "Once Upon a Time) como protagonista. Pois é... Eu só fui saber da existência desse filme quase 20 anos depois do lançamento dele e o mais engraçado é que, eu assisti o filme e na mesma semana eu encontrei um cartaz da peça musical aqui em São Paulo. Logo pensei: Isso é coisa do destino, preciso ir ver! E ainda bem que eu fui.

O espetáculo foi um curta temporada que ficou em exibição no Teatro Net e eu tive a sorte de conseguir assistir ontem, em seu último dia de exibição. E eu acabei gostando tanto (É musical, quem me conhece sabe que eu sou louca por musicais) que decidi vir aqui contar para vocês algumas diferenças entre a peça e o filme, caso alguém não queira ler spoilers, eu sugiro que esse seja o momento de trocar de matéria, já que a partir de agora é... OU TUDO OU NADA.


Bom, a grande diferença entre os dois é que o filme embora tenha a dança dos rapazes, não é um musical, já a peça é recheada de ótimas canções. Por conta disso, a peça tem uma hora a mais de duração que o filme, já que também rola um intervalo de 15 minutinhos no meio da exibição. A história é basicamente a mesma, os personagens trabalhavam em uma fábrica que acabou fechando as portas e mandou todo mundo para casa e então, eles encontram dificuldades em arranjar um novo emprego, quando o protagonista decide que eles podem ganhar uma bolada por uma única noite de trabalho... Fazendo strip! Nesse começo de história são poucas coisas que estão diferentes, um novo personagem foi incluso na peça, um stripper da concorrência (Fábio Bianchinni) que dá algumas dicas para o protagonista (Mouhamed Harfouch) da trama.

Outro ponto diferente entre as tramas é que na história do filme, as mulheres não aparecem muito e só três delas tem participação ativa na história: A ex-mulher de Guz, a mulher de Gerald e a mulher de Dave. Já na peça, as mulheres também possuem uma grande presença no palco. E uma nova personagem foi inclusa também, a pianista dos rapazes. Na peça, um deles pergunta de onde que ela saiu e eu na plateia fiz a mesma pergunta e como resposta tive: Não importa de onde ela surgiu, o que importa é que surgiu e nos divertiu. Eu sai do teatro simplesmente AMANDO a Sylvia Massari, tanto por nos apresentar essa nova personagem, quanto por seu trabalho incrível no palco.


Agora, uma cena que ficou diferente entre as tramas é o momento em que os personagens de André Dias e Victor Maia se aproximam e acabam formando um casal. No teatro ficou bem claro quando rolou um clima entre os dois e durante a cena do enterro, o "acordo foi selado", os dois já eram um casal. Enquanto isso, no filme, tudo o que temos é uma sugestão de que isso poderia acontecer, o que particularmente me deixou bem frustrada, já que não era pra aprofundar a história, seria melhor nem ter criado aquele plot. Talvez pelo ano em que o filme foi produzido ou por algum outro ponto que eu não sei (e nem pesquisei pra saber) eles não fizeram um ponto final satisfatório nessa parte da história, já o musical sim, fez exatamente o que eu esperava que fosse acontecer.

Outra coisa que vocês devem ter percebido que é bem diferente, é a escolha do elenco, né? O diferencial de "Ou Tudo Ou Nada" para talvez, não sei, um "Magic Mike" é que os atores são bem "comuns", homens com o corpo normal, ou acima do peso, ou mais velhos... Homens que você imaginaria que ninguém fosse pagar para ver eles tirando a roupa, não é mesmo? Bom... No filme é assim mesmo... O elenco é bem "normal", enquanto que o elenco da peça musical.... Confere só a diferença entre os elencos do teatro e da peça.




Então gente... Infelizmente a temporada aqui em São Paulo chegou ao fim ontem, mas, esperamos que a produção consiga patrocínio para que continuem levando essa história para todos os lugares desse nosso Brasil LINDO. A peça tem nudez dos rapazes? Tem! Afinal, tudo gira em torno disso, deles se prepararem para o grande dia do strip-tease... Porém, não é uma nudez vulgar, que vá deixar alguém constrangido ou coisa do tipo... E você acaba se envolvendo tanto com as trapalhadas dos rapazes e com a história, que a nudez fica em segundo, terceiro, quarto plano... Eu gostei bastante, o elenco canta que é uma beleza, dançam muito e ainda fazem a plateia rir o tempo todo.

Espero que voltem logo para que eu possa ir conferir novamente e levar mais pessoas comigo e para que vocês leitores também possam aproveitar a trama... Enquanto isso, vocês podem conferir o filme, está disponível em DVD e também em Blu-Ray (Creio eu). E bem que a produção da peça poderia disponibilizar um DVD pra gente, né? Eu aposto que venderia bastante... Além disso, convidei alguns dos atores para uma entrevista aqui no blog, eles toparam e então, em breve a gente confere um bate-papo bacana com eles por aqui.


Qualquer novidade eu volto, lembrando que quem quiser entrar em contato comigo, pode add no facebook, procurando por "Bruna Jones" e que agora na página oficial do blog, vocês encontram conteúdo exclusivo: clique aqui! Podem também procurar e seguir no twitter no @odiariodebrunaj certo?

Nenhum comentário:

Postar um comentário